sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Sopa de couve e feijão

Com estes dias frios, sabe mesmo bem uma sopinha reconfortante!

Aprendi esta sopa com a minha mãe e é sempre uma delícia.

Tentei reproduzi-la segundo os ingredientes que tinha lá em casa. A dela é um pouco mais rica mas esta também ficou muito boa!

As quantidades são aproximativas porque fiz tudo a olho... :)

Tinha um resto de carne de porco cozida que sobrou de outra receita e por isso apenas juntei a carne no momento de servir.



- 500g de couve kale (ou repolho)
- 1 chouriço
- 150g de cenoura às rodelas
- 200g de feijão manteiga já cozido
- 1/2 cebola picada
- 1 dente de alho picado
- carne cozida (de porco ou de vaca)
- azeite
- água
- sal

Faça um refogado com a cebola, o alho e um fio de azeite.
Junte o chouriço às rodelas e deixe alourar.
Adicione de seguida a cenoura e a couve. Mexa bem e deixe fritar ligeiramente durante 2-3 minutos para tomar gosto.
Junte o feijão e regue com água (mais ou menos até cubrir e segundo a vossa preferência).
Tempere com sal a seu gosto.
Deixe cozer durante 20 minutos.
Sirva e junte a carne cozida (aquecida) directamente nos pratos.

sábado, 9 de fevereiro de 2019

Ramen Miso

Nem imaginam como estou contente de vous apresentar esta receita!

Se me segue no Instagram, já se apercebeu com certeza que aqui em casa somos GRANDES apreciadores de Ramen et que comemos este prato quase todas as semanas. Esta receita japonesa é uma sopa muito saborosa com massa e acompanhamentos variados. É um prato muito apreciado pelos japoneses e que até aparece com muita frequência nas séries japonesas (animés). Cada familia japonesa tem a sua receita de Ramen e no Japão há milhares e milhares de restaurantes especializados em Ramen. É mesmo muito popular.

Temos sorte que aqui em Montréal há vários restaurantes de Ramen muito bons e equivalentes aos que encontrámos no Japão. Maneira que já temos os nossos restaurantes preferidos e andamos sempre lá caídos LOL

Como este prato é algo que apreciamos mesmo muito, decidimos lançar-nos e experimentar de fazê-lo aqui em casa, de A a Z, ou seja, desde a preparação do caldo até à confeção da carne com os temperos necessários. Outra vantagem aqui: temos várias lojas de alimentação asiáticas onde podemos encontrar todos os ingredientes.

Em primeiro, tinhamos de escolher o tipo de sopa que queríamos fazer porque existem 3 categorias de Ramen: Tonkotsu (caldo de porco), Shoyu (caldo de porco com molho de soja) e Miso (caldo de porco com pasta miso). Gostamos das 3 mas decidimos experimentar a Miso.

Os Ramen são quase sempre servidos com carne, e na maioria das vezes, é com carne Chashu, que é a nossa preferida. Chashu é um rolo de porco cozido (num caldo aromático) e cortado às rodelas como podem ver na foto. Gostamos muito porque fica uma carne muito tenrinha e muito saborosa.

Para os legumes, escolhemos rebentos de soja, cebolinho, rebentos de bambu, alga Nori, carne picada marinada e o incontornável ovo marinado em molho de soja.

Depois de várias buscas na Net, escolhemos estas receitas que combinámos :

- Para a carne Chashu e os ovos marinados: (apenas usei esta receita para os ingredientes do caldo mas depois modificámos a receita) https://youtu.be/iC1JIHrKZMc

- Para o caldo de base: http://seonkyounglongest.com/ramen/

- Para o molho Miso e a carne picada marinada : https://www.youtube.com/watch?v=7z2AHWzN1DY

- Para escolher o tipo de pasta Miso, encontrei este artigo: https://www.justonecookbook.com/miso/ 



1ª etapa – Preparação da carne Chashu 

- 1kg de entremeada inteira
- 1 alho francês (cortado às rodelas)
- 62g de gengibre (cortado às rodelas)
- 4 dentes de alho
- 2 cups de água
- 1/4 cup de sake
- 1/4 cup de mirin
- 4 colheres de sopa de açúcar
- 1/2 cup de molho de soja japonês

Enrole a entremeada e amarre com corda de cozinha de maneira bem apertada para o rolo não se abrir durante a cozedura.


Meta a carne numa grande panela e cubra com água fria. Levante fervura e deixe ferver durante 10 minutos para retirar as impurezas da carne. Deite fora a água e meta a carne numa panela de pressão com os ingredientes indicados acima. Coza a alta pressão (a minha panela tem 2 intensidades - escolhi a mais forte) durante 30 minutos. 


Quando puder abrir a panela, retire a carne, filtre o caldo para retirar os legumes e, depois de ter arrefecido, guarde a carne junto com o caldo no frigorífico durante uma noite.

No dia seguinte, retire a gordura que se solidificou, retire a carne e corte-a às rodelas. Guarde o caldo para marinar os ovos (próxima etapa).





No momento de servir os ramens, pode grelhar a carne rapidamente com um maçarico ou no forno.



2ª etapa – Preparação dos ovos marinados (e do bambu)

Coza os ovos em água a ferver durante exactamente 6 minutos.

Retire-os e mergulhe-os imediatamente em água gelada com alguns cubos de gelo para para a cozedura.

Depois de arrefecer completamente, mergulhe-os no caldo que preparou na etapa anterior.

Utilizo este mesmo caldo para marinar as fatias de bambu que compro em lata.

Deixe marinar no frigorífico durante uma noite. Conservam-se no frigorífico durante 7 dias.

No momento de servir, retire os ovos e corte-os ao meio.


3ª etapa – Preparação do caldo de base

- 3kg de ossos de porco
- 1 alho francês
- algumas rodelas de gengibre
- 10 dentes de alho
- 1,5 colher de sopa de caldo de galinha em pó$
- 45g de alga 

Meta os ossos de porco em água fria durante 1 hora para retirar os restos de sangue. Deite fora a água e lave os ossos.

Ferva os ossos durante 7 minutos para retirar as impurezas restantes. Deite fora a água e lave os ossos, um por um, com o cuidado de esfregar bem com os dedos para retirar todas as impurezas.

Lave a panela e volte a meter os ossos. Junte os ingredientes indicados acima e deixe cozer a lume brando durante 3-4 horas. Durante os primeiros 15 minutos, vá retirando a espuma que se forma na superfície.



Filtre o caldo e reserve.
Para cada porção de ramen, use entre 1,5 e 2 cups deste caldo.


Pode utilizar os ossos para outras receitas visto que têm bastante carne.


4ª etapa – Preparação da carne picada marinada

Para 2 porções de Ramen:
- 150g de carne picada de porco
- metade de um dente de alho
- meia colher de sopa de gengibre picado
- meia colher de sopa de molho picante Tobandjan
- 1 colher de sopa de molho Tenmenjan
- 1 colher de sopa de sake
- meia colher de sopa de óleo de sésamo

Frite a carne no óleo de sésamo com o alho e o gengibre.

Junte os molhos e o sake, misture bem e frite durante 2-3 minutos. Retire do lume e reserve.



5ª etapa – Preparação do molho Miso

Para 2 porções de Ramen (1,5 cups de caldo de base da etapa anterior):

- 75g de pasta Miso (usei Miso Awake que é a pasta de intensidade média)
- 1/2 colher de sopa de Mirin
- 1 colher de sopa de molho de soja japonês
- 1/2 colher de sopa de molho de ostra 
- 1 colher de sopa de sake

Misture bem todos os ingredientes numa tigela.

No momento de servir, aqueça o caldo de base, meta a pasta que preparou num coador fino e vá juntando o caldo progressivamente, esfregando com uma colher para que a pasta se misture completamente ao caldo.

E o caldo do Ramen já está pronto! Reserve.

5ª etapa – Noodles

Para 2 porções de Ramen: 
- 300g de noodles para Ramen (de preferência frescas)

Coza as noodles em água a ferver (sem sal) durante o tempo indicado no pacote (no meu caso: 3 minutos).
Escorra e meta as noodles directamente na tigela onde vai servir os Ramen (150g para cada pessoa).

E já está!!

Agora só falta fazer a sua tigela de Ramen com os ingredientes todos:

Verta 1,5 cups de caldo Miso em cima das noodles que já tinha metido na tigela.

Junte 1 fatia de carne Chashu, o ovo marinado cortado ao meio, algumas fatias de bambu marinado e a carne picada.

Nós juntámos uma mão cheia de rebentos de soja (que escaldámos em água a ferver durante 3-5 minutos), alguns quadrados de folha de alga Nari e cebolinho picado.

ITADAKIMASU!

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Mini croissants

Olá a todos!

Hoje é 6a feira, o meu dia preferido da semana hi hi hi :)

Quero partilhar convosco estes mini croissants, que mais são uma ideia que uma receita visto que utilizei massa folhada já pronta a usar e que não adicionei nenhum ingrediente.

Mas gosto sempre de partilhar o que vou fazendo, pode ser que inspire alguém :)

Tinha 2 rolos de massa folhada no congelador e decidi fazer estes mini croissants para o pequeno-almoço. E foi uma ótima ideia, deliciei-me com eles!




- 1 rolo de massa folhada 

Pré-aqueça o forno a 180C.

Corte a massa em triângulos.
Enrole cada triangulo de uma das bases até à ponta bicuda.
Se preferir, pode juntar pepitas de chocolate antes de enrolar cada triângulo.

Leve ao forno durante 15-20 minutos.

E já está  pronto!



quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Bolo de banana e nozes

Adoro bananas e sobretudo a associação de bananas com nozes.

Tinha 3 bananas no congelador já há algum tempo e andava à procura de uma receita de bolo.

Encontrei-a aqui: http://tva.canoe.ca/emissions/signem/recettes/pain-aux-bananes-d-anne-marie-withenshaw

Apenas diminuí a quantidade de açúcar e ficou delicioso!


- 3 bananas maduras
- 2 ovos
- 60g de açúcar
- 115g de farinha
- 1 pitada de sal
- 1 colher de sobremesa de fermento em pó
- 100g de nozes picadas grosseiramente
- 100g de pepitas de chocolate

Pré-aqueça o forno a 180°C.
Esmague as bananas com um garfo e misture em seguida com os ovos e o açúcar. Mexa bem.
Numa tigela, misture os ingredientes secos : farinha, sal e fermento.
Misture progressivamente a preparação seca à líquida, com cuidado para não formar grumos.
Junte as nozes e as pepitas de chocolate.¨
Leve ao forno durante aproximadamente 40 minutos (espete um palito e se ele sair limpo, já está cozido).
Deixe arrefecer antes de desenformar.

sábado, 26 de janeiro de 2019

Truta no forno com bróculos

Gostam de trutas?

Nem toda a gente aprecia este peixe de água doce.

Eu pessoalmente gosto bastante e cozinho as trutas exatamente da mesma maneira que o salmão, com as mesmas receitas.

O que se torna bastante prático: as receitas que encontrar para salmâo pode também usar sem hesitação para cozinhar trutas.

Claro que o ideal é ter o privilégio de poder pescar trutas selvagens num rio ou lago (próprio para consumo) perto da zona onde vive. Nada é melhor que peixe fresco, local e selvagem.

Mas a maioria de nós não tem essa oportunidade e dirigimo-nos à peixaria mais próxima :)

As trutas podem ser cozinhadas inteiras, depois de serem limpas e escamadas, mas aqui em casa preferimos cortá-las em filetes para evitar as inúmeras espinhas fininhas próprias a este peixe.

Deixo-vos então esta sugestão, da minha própria autoria.

Espero que gostem!


- 8 filetes de truta
- sumo de 1 limão
- 200ml de natas
- 1 colher de sopa de mostarda de Dijon
- queijo ralado
- 400g de bróculos

Pré-aqueça o forno a 180°C.
Meta os filetes num grande tabuleiro, junto com os bróculos. 
Regue com o sumo de limão.
Numa tigela, misture as natas com a mostarda e verta por cima das trutas e dos bróculos.
Polvilhe com o queijo ralado e leve ao forno durante aproximadamente 40 minutos.
Sirva com arroz branco.

sábado, 19 de janeiro de 2019

Cafeteira lixo zero

Bom dia!

Este é o meu primeiro artigo na nova categoria "Ecologia", da qual vos tinha falado no início do mês, espero que gostem!! :) Não hesitem em deixar um comentário.

Quem me segue no Instagram, já deve ter visto esta publicação que tinha feito sobre a cafeteira francesa, que é uma cafeteira lixo zero.

O movimento lixo zero é uma iniciativa criada pela Bea Johnson, uma francesa que mora nos  Estados Unidos, e que visa a redução quase completa dos resíduos produzidos por cada família. Parte do principio que melhor do que reciclar é mesmo reduzir o lixo ao máximo.

Este movimento tornou-se muito popular mundialmente durante os últimos anos e contribuiu bastante a alertar as consciências (especialmente dos citadinos) para a enorme quantidade de lixo que produzimos e que é quase sempre evitável.

Isto foi para a explicação do termo "lixo zero".
Devo confessar que não sou adepta ativa deste movimento, no sentido de que não tenho nenhum objetivo concreto de redução de lixo nem tomo medidas drásticas como a Bea Johnson.

No entanto, tudo o que toca à natureza e ao ambiente é algo que me interessa bastante e sou sensível à problemática do excesso de lixo (sobretudo de plástico!) que produzimos na sociedade atual de consumo, apenas em nome do conforto e da rapidez. Se estiverem atentos às histórias dos nossos pais e avós, notarão que não há muito tempo atrás, os artigos usados e o estilo de vida era muito mais sustentável e o lixo que se produzia era mesmo pouco ou quase todo reciclável. Aliás, havia mesmo o hábito quase automático de recuperar/reparar o máximo de objetos possível, que eram feitos de materiais mais duráveis (como vidro, tecido, etc.). Claro que cada época tem as suas vantagens e desvantagens, longe de mim a ideia de promover uma espécie de nostalgia ou de criticar o mundo moderno como um todo.

Apenas me parece que podemos conjugar melhor o conforto moderno com o respeito pela natureza. Adotámos, com o tempo, comportamentos que não são nada indispensáveis e que se podem muito bem melhorar sem prescindir ao conforto ao qual estamos habituados (como por exemplo, utilizar sacos de tecido para as compras em vez de sacos de plástico de utilização única).
Este exemplo dos sacos ilustra perfeitamente o tipo de pequenos gestos que decidi promover aqui no blog porque são medidas bastante fáceis e acessiveis a todos, sem perturbar de maneira drástica o modo de vida de cada um.

Pequenos gestos que fazem a diferença.

Com isso na mente, sempre que posso, tento limitar o meu impacto nesse sentido e vou tomando algumas medidas modestas no meu quotidiano.

Um bom exemplo disso é esta cafeteira francesa que utilizo diariamente para fazer o café do meu pequeno-almoço e que não produz lixo, visto não ter filtro de papel.



Já a utilizo há vários anos e estou muito satisfeita com o resultado.

O café fica muito bom, com uma ligeira espuma e com os aromas bem vivos.

A intensidade depende naturalmente da quantidade de café que se mete. Eu gosto do café forte e por isso meto 11 gramas de café moído (idealmente moagem média - a moagem fina é mais indicada para as máquinas de espresso) para aproximadamente 30 ml de água (para o pequeno-almoço).

Mas como funciona esta cafeteira?

É bem fácil. Pelas fotos, já dá para adivinhar e estou certa que a maioria de vocês já conhecem este tipo de cafeteira.

Basta pôr o café moído dentro do recipiente, encher com água a ferver, mexer com uma colher durante alguns instantes (idealmente 1 minuto), deixar repousar durante 4 minutos e cobrir com a tampa. A última etapa é empurrar a prensa para baixo para separar a borra. O café fica em cima e pronto a ser servido.



A grande vantagem desta cafeteira, para além de ser rápida e fácil de usar, é realmente o facto de não usar filtros descartáveis e por isso não produzir lixo.

Depois de cada utilização, basta lavar a cafeteira com água e sabão (pode ir ao lava-loiça).

A borra do café é evidentemente biodegradável e até pode ser usada como fertilizante natural para plantas e jardins (eu pessoalmente meto na terra da minha horta) ou como exfoliante para cara e corpo (que pode esfregar diretamente na pele quando a borra estiver fria e retirar com água - já experimentei e gostei bastante).

Outra vantagem é que nem precisa de eletricidade para funcionar e pode levá-la para qualquer lado.

Estou completamente conquistada e faz agora realmente parte integrante do meu dia-a-dia.

E você? O que acha da ideia?

sábado, 5 de janeiro de 2019

Roupa-velha à minha moda

Hoje trago-vos um prato muito simples e muito prático para aproveitar sobras de outras refeições.
Aqui em casa, os almoços de sábado são quase sempre sobras da semana e hoje foi então este prato que vos mostro.

É a tradicional roupa-velha, que devem conhecer, e que habitualmente se faz para aproveitar os restos de bacalhau, batata e couve.

No meu caso, em vez do bacalhau tinha uma salsicha fumada (que pode substituir por chouriço ou por bacon) e que dá um gosto muito bom a este prato.

Outra coisa prática é que é super rápido e fica pronto em apenas alguns minutos.


- 1 chouriço (ou bacon ou 1 salsicha fumada) cortado às rodelas
- 3 grandes batatas cozidas cortadas aos cubos
- couve cozida cortada aos pedaços (tinha mais ou menos uma grande tigela)
- azeite
- pimenta e alho em pó


Meta todos os ingredientes numa grande frigideira e regue com bastante azeite.
Leve a lume forte e deixe fritar durante alguns minutos, mexendo regularmente, até as batatas ficarem douradas.
Tempere com pimenta e alho em pó (não achei necessário adicionar sal).
E já está pronto a servir!