segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Bolo de caneca (Mug cake) com ameixas

Bom dia a todos e bom inicio de semana!

Hoje entramos oficialmente no Outono, que é a minha estação preferida! :)

As temperaturas mais frescas (aqui temos Verões muito quentes, sempre acima dos 30C...), as folhas das árvores que mudam de cor, o regresso das refeições mais reconfortantes feitas no forno, o aconchego da nossa casa durante uma noitinha mais fresca, os aromas das folhas secas... adoro!

E para celebrar o inicio desta linda estação, trago-vos uma receita aconchegante que é muito prática para os pequenos-almoços ou lanches da semana.

Trata-se de um bolo de caneca (ou Mug cake). Conhecem?

Tinha lá em casa bastantes ameixas do jardim e resolvi adaptar esta receita que encontrei na Internet (aqui: http://www.browniebites.net/peanut-butter-cinnamon-oatmeal-mug-cake-giveaway/).

Ficou super boa e repeti 2 vezes na mesma semana!





- 4 colheres de sopa de leite (pode usar leite de amêndoa se preferir)
- 1 colher de sopa de óleo
- 1 colher de sobremesa de açúcar
- 3 colheres de sopa de farinha
- 1/2 colher de fermento em pó
- 1 pitada de sal
- 1 pitada de canela
- 1 colher de sopa de manteiga de amendoim
- um pouco de manteiga para barrar a caneca

Numa tigela, comece por misturar os ingredientes secos: a farinha, o fermento, o açúcar, o sal e a canela.

Junte de seguida o resto dos ingredientes e misture bem.

Unte a caneca com manteiga.

Retire o caroço das ameixas, corte-as em dois e ponha-as no fundo da caneca.

Encha a caneca com a preparação anterior e leve ao micro-ondas durante 2 minutos a potência máxima.

Deixe arrefecer alguns minutos e já está pronto!

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Cápsulas de café reutilizáveis

Olá a todos!

Hoje não é dia de receita. Hoje é dia de mais uma pequena sugestão para produzir menos lixo e menos poluição no nosso quotidiano.

Como sabem, não sou adepta de mudanças muito radicais e apenas tento mudar pequenas coisas que realmente fazem a diferença mas que continuam a ser práticas e que não exigem muito esforço.
Hoje decidi falar-vos das cápsulas de café reutilizáveis.

Aqui em casa, adoramos café e não dispensamos um bom expresso ao fim do almoço. Já vos tinha falado num artigo anterior (AQUI) sobre a cafeteira lixo zero que uso para os nossos cafés do pequeno-almoço. Neste artigo, vamos falar das cápsulas para fazer expressos.

Já não é supresa para ninguém o facto das cápsulas de café terem um impacto considerável no meio ambiente visto serem descartáveis e feitas de aluminio. O aluminio até nem é das piores matérias visto poder ser reciclado inúmeras vezes. No entanto, nem todas as regiões possedem instalações que possam reciclar as cápsulas em aluminio (têm apenas os dispositivos habituais para as latas) e a maior parte delas acabam infelizmente em descargas.

Para além disso, melhor que reciclar é mesmo reduzir o consumo de artigos descartáveis.
E foi isso que decidimos fazer aqui em casa. Já há alguns meses que comprámos cápsulas reutilizáveis compativeis com a nossa máquina de café e estamos muito satisfeitos.


Não só por motivos ecológicos mas também por podermos escolher o café que gostamos mais e ir sempre mudando. E no final, até fica muito mais em conta. 
Confesso que ainda temos algumascápsulas da marca original para desenrascar quando for preciso mas o consumo delas diminuiu drásticamente, já não se compara! Estou a mencionar este detalhe para vos mostrar que mesmo pequenas mudanças fazem-se de forma gradual e não gosto de radicalizações. Não é porque agora tenho cápsulas reutilizáveis que vou banir completamente todas as outras. No nosso caso, é este o equilibrio que encontrámos e que nos convém, cada um faz como bem entende ;)

Voltando às cápsulas, como podem ver, existem 2 tipos, ambos em inox.

Foto tirada do site Aliexpress






A primeira foto é um tipo de cápsula que não produz mesmo lixo nenhum porque tem uma tampinha que se enrosca e as outras utilizam apenas uma fina pelicula de aluminio (o lixo que produzem é muito reduzido comparado às cápsulas originais). 

Depois de serem usadas, basta retirar a pelicula (que deve ser deitada no recipiente que vai para a reciclagem) ou a tampa e enxaguar para retirar o café. 

No nosso caso, aproveitamos esse café para usar mais tarde como fertilizante nas plantas ou na horta. Vamos despejando as cápsulas para um recipiente fechado que é guardado num sítio fresco e vamos usando o café conforme precisamos.


Como referi, a grande vantagem destas cápsulas, para além de serem mais ecológicas, é que podemos usar o tipo de café que desejamos.

Por exemplo, ultimamente comprámos um grande saco de café brasileiro (em grão) e depois vamos moendo a quantidade que necessitamos para encher as cápsulas. O gosto é muito diferente do café das cápsulas originais e gostamos imenso. E o facto do café ser moído na hora (ou algumas horas antes) faz muita diferença a nível dos aromas.

E, como é óbvio, sai muito mais barato compar um saco de café em grão que porções individuais. O único inconveniente é que tem que se reservar alguns minutinhos para moer e encher as cápsulas.É tão bom o cheirinho a café moído que fica na cozinha!

Caso não tenha tempo de preparar as cápsulas diáriamente, como é o nosso caso, faça como nós e prepare-as ao fim de semana. Depois arrumamo-las na caixinha das cápsulas e ficão prontas a usar a qualquer momento do dia ao longo da semana. 


A nível da espuma, notámos que as cápsulas com a pelicula de aluminio (as da direita na foto anterior) fazem mais espuma que as outras com a tampa de enroscar, e o café fica mesmo igual ao das cápsulas descartáveis.



Espero que gostaram deste artigo e sintam-se à vontade para comentar e contar-me o método que preferem para fazer o vosso cafézinho ;)

Até à próxima!

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Morcela branca com molho de natas e cogumelos

Olá a todos!

Cá estou de volta depois de uma curta ausência visto que durante o Verão as nossas refeições são quase sempre grelhados e é um periodo durante o qual experimento menos receitas novas para partilhar com vocês.

Aqui por casa, gostamos muito de salsichas frescas de vários sabores que compramos no talho e a morcela branca é uma das nossas preferidas (não sei se também há em Portugal). Não leva sangue e tem um saborzinho bastante cremoso e agradável. Cada talho tem a sua própria receita e por isso gostamos de ir provando.

Costumo sempre acompanhá-las com um creme bem guloso de natas e cogumelos.

E como aqui no Québec as temperaturas já são dignas do Outono, já apetece pratos assim reconfortantes.

Como sempre, é uma receita bem fácil e rápida e por isso ideal para os jantares da semana.
Podem substituir a morcela branca por outra salsicha do mesmo estilo.




Para 4 pessoas:

- 4 morcelas brancas (“boudin blanc”)
- 400g de cogumelos frescos (usei 200g de cogumelos brancos “Paris” e 200g de cogumelos castanhos “crimini”)
- 200g de natas espessas
- 1 cebola chalota
- 1 colher de sopa de manteiga para o molho + 1 colher de sopa para fritar as salsichas
- sal e pimenta


Limpe e corte os cogumelos em lâminas.
Numa grande frigideira, derreta 1 colher de sopa de manteiga e dore as salsichas em lume brando (aproximadamente 5 minutos de cada lado).
Noutra frigideira grande, derreta 1 colher de sopa de manteiga e refoque nela a chalota bem picadinha.
Junte os cogumelos, mexa e deixe refogar a lume médio durante aproximadamente 3-5 minutos até os cogumelos ficarem moles e perderem volume.
Adicione agora as natas, tempere com sal e pimenta (pode acrescentar ervas aromáticas se preferir), misture bem e deixe cozinhar a lume médio durante aproximadamente 5-7 minutos ou até as natas engrossarem a vosso gosto.
Juntem esta preparação de natas às salsichas, apague o lume e deixe reposar alguns instantes antes de servir.